“Sem título”, de Manoel Neves Deixar um comentário

o desejo de te ver
incendeia o azul do céu
me impele contra o tempo
me transforma num incréu
me desfaz em mil arpejos
deixa o sonho sem um véu

o desejo de te ver
roda feito carrossel
desdobrado em mim, vermelho,
espiral, vitral, dossel:
vou sonhando a tua pele,
nas palavras, no papel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *